Skip to main content
A PAZ ACABOU!

Os cinco membros do Conselho Permanente das Nações Unidas podiam fazer muito mais pela paz (e pela felicidade) no mundo, se a ONU tivesse feito as reformas que são necessárias, mantendo-se a Organização no mesmo ponto em que estava em 1945, quando foi criada.
Até que surja uma desejável e urgente reforma na sua estrutura, os governos e demais organismos do poder têm que influenciar aqueles cinco membros, e insistemente os membros(temporários) do Conselho de Segurança. E até que algo de novo aconteça, assim vai a Paz por esse mundo, sabe Deus como...

Na Póvoa de Varzim a Paz acabou oficialmente no dia 13 de Janeiro passado, com uma cerimónia que a Câmara organizou a apadrinhar a ideia, já com alguns anos, de um poveiro. Mesmo que as cerimónias passem para além dos limites da Póvoa, e se estendam ao país inteiro, os efeitos práticos serão sempre reduzidos. Resta a intenção, mas não nos devemos dar por satisfeitos. Temos que aprender a lutar pela Paz!

Faz todo o sentido o apelo à Paz! Um apelo constante, tarefa de todos e não apenas de tempos a tempos com o simbolismo das flores brancas e dos cachecois brancos.
Qualquer iniciativa é louvável e deveria ser alargada a mais organizações, institucionais ou de grupos de indivíduos, e para isso os apoios poderiam ser quase nulos ou dispensáveis.
A Paz é para ser vivida todos os dias, e construída por cada ser humano.

Será que nós construímos a Paz, em cada momento que passa?

Comments

A "paz podre" do antigo regime parece de novo alçapremada ao altar do poder.

Vemos pessoas cumprindo rituais (de fachada, pura hipocrisia...) aparentemente pacifistas, e depois, na prática, executando actos hediondos. Vimos Pinochet, com as suas missas cantadas, os seus Te Deums, as suas faustosas procissões (autênticos "banhos de multidão" onde procurava lavar a lama da sua praxis, onde procurava farisaicamente esconder os raptos, as mortes, os desaparecimentos), as suas hossanas a Deus ... para... ser aquilo que todos sabemos que foi...

Quantos Pinochets de trazer por casa temos nós?!

Será que perguntar, ofende?
CÁ FICO said…
Fazer a Paz com lenços brancod e manifestações de rua e deboas intenções só pode partir de quem nunca viveu aGuerra e não sabe o que ela é...e se sabe deixa de ser ingénuo para ser hipócrita!Querem mesmo a Paz? Não andem de automóvel, não gastem combustiveis derivados do Petróleo, não tenham bens próprios em especial os bancários... não exijam salários ou pagamentos pelo trabalho que produzem...despojem-se de todos os bens terrenos...Deixem deviver para vós próprios mas apenas para os outros....em suma deixem de ser egoistas...será que o ser humano tem essa capacidade? Nãocreio? e não creio que os manifestantes da paz ofereçam o seu proprio cachecol e as tshirts a outros...
CÁ 70 said…
Caro Comandante,
por falar em paz...oque me diz desta novela dos voos da CIA?
Caro Arquitecto,
De factos concretos não sei, mas à volta de tudo isto algumas coisas poderiam ser pensadas e retiradas lições de "casos que acontecem" em nome dos grandes Valores (Democracia)e em nome dos chamados "interesses vitais dos EUA",...para manter a paz no mundo!

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…