Skip to main content
A PAZ ACABOU!

Os cinco membros do Conselho Permanente das Nações Unidas podiam fazer muito mais pela paz (e pela felicidade) no mundo, se a ONU tivesse feito as reformas que são necessárias, mantendo-se a Organização no mesmo ponto em que estava em 1945, quando foi criada.
Até que surja uma desejável e urgente reforma na sua estrutura, os governos e demais organismos do poder têm que influenciar aqueles cinco membros, e insistemente os membros(temporários) do Conselho de Segurança. E até que algo de novo aconteça, assim vai a Paz por esse mundo, sabe Deus como...

Na Póvoa de Varzim a Paz acabou oficialmente no dia 13 de Janeiro passado, com uma cerimónia que a Câmara organizou a apadrinhar a ideia, já com alguns anos, de um poveiro. Mesmo que as cerimónias passem para além dos limites da Póvoa, e se estendam ao país inteiro, os efeitos práticos serão sempre reduzidos. Resta a intenção, mas não nos devemos dar por satisfeitos. Temos que aprender a lutar pela Paz!

Faz todo o sentido o apelo à Paz! Um apelo constante, tarefa de todos e não apenas de tempos a tempos com o simbolismo das flores brancas e dos cachecois brancos.
Qualquer iniciativa é louvável e deveria ser alargada a mais organizações, institucionais ou de grupos de indivíduos, e para isso os apoios poderiam ser quase nulos ou dispensáveis.
A Paz é para ser vivida todos os dias, e construída por cada ser humano.

Será que nós construímos a Paz, em cada momento que passa?

Comments

A "paz podre" do antigo regime parece de novo alçapremada ao altar do poder.

Vemos pessoas cumprindo rituais (de fachada, pura hipocrisia...) aparentemente pacifistas, e depois, na prática, executando actos hediondos. Vimos Pinochet, com as suas missas cantadas, os seus Te Deums, as suas faustosas procissões (autênticos "banhos de multidão" onde procurava lavar a lama da sua praxis, onde procurava farisaicamente esconder os raptos, as mortes, os desaparecimentos), as suas hossanas a Deus ... para... ser aquilo que todos sabemos que foi...

Quantos Pinochets de trazer por casa temos nós?!

Será que perguntar, ofende?
CÁ FICO said…
Fazer a Paz com lenços brancod e manifestações de rua e deboas intenções só pode partir de quem nunca viveu aGuerra e não sabe o que ela é...e se sabe deixa de ser ingénuo para ser hipócrita!Querem mesmo a Paz? Não andem de automóvel, não gastem combustiveis derivados do Petróleo, não tenham bens próprios em especial os bancários... não exijam salários ou pagamentos pelo trabalho que produzem...despojem-se de todos os bens terrenos...Deixem deviver para vós próprios mas apenas para os outros....em suma deixem de ser egoistas...será que o ser humano tem essa capacidade? Nãocreio? e não creio que os manifestantes da paz ofereçam o seu proprio cachecol e as tshirts a outros...
CÁ 70 said…
Caro Comandante,
por falar em paz...oque me diz desta novela dos voos da CIA?
Caro Arquitecto,
De factos concretos não sei, mas à volta de tudo isto algumas coisas poderiam ser pensadas e retiradas lições de "casos que acontecem" em nome dos grandes Valores (Democracia)e em nome dos chamados "interesses vitais dos EUA",...para manter a paz no mundo!

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…