Skip to main content
A CIDADE DERRUBADA

Aqui é uma cidade. As árvores
rastejam. Um punho ferido
desce das janelas. O céu
é um pulmão de cinza
e ar morto. Gritam aves,
gritam o silêncio enlouquecido
no ventre das mulheres.
O amor é um mito nos corpos
secos. Apodrece
o sol.

Aqui é uma cidade. Onde?
Que ruas se estendem para o medo?
Quem atira o sangue contra as portas?
O ódio tatuou os homens. Marcham
num cordão de lágrimas. Não olham.
Um pelotão de braços
tomou conta das fábricas. As pernas
arrastam a cegueira.

Aqui é uma cidade. Habitam sombras
de carne apavorada. Amarrotando a boca.
Os olhos empunham a surpresa
que a noite clandestina lhes propõe.
As mãos estendem-se para as armas,
derrubando o muro. O sangue,
o grito incrédulo, levanta-se nos dedos.
Um povo caminha com a voz.

- Poema "A Cidade Derrubada", de Joaquim Pessoa (in " A Morte Absoluta", livro inédito de 1974).

Comments

Blogger Poveiro said…
A partir de hoje podem encontrar online um novo blog poveiro.

Pretendo, com a colaboração de todos, reunir numa só página links para todos os blogs e sites poveiros.

A ideia não é original. Mas ainda não conheço nenhum site de links da Póvoa. Este blog pretende ser um útil substituto para uma boa parte dos links que temos nos nossos favoritos.

Requisitos dos blogs/sites linkados: serem editados por poveiros ou sobre assuntos ligados à Póvoa; não conterem linguagem ou imagens obscenas.

Espero que este novo blog seja útil e tenha a vossa colaboração e sugestões.
Aqui fica o link:

Blogs e Sites Poveiros

Muito obrigado.
Caríssimo comandante:

Este poema de Joaquim Pessoa deve ter sido escrito no primeiro trimestre de 1974, antes do "25 de Abril"...

É demasiado lúgubre, sinistro até.

Ao ler os primeiros versos até pensei que, por causa das árvores, se tratasse da Póvoa de Varzim.

Felizmente que não é. Aqui, respira-se Abril a plenos pulmões:
há transparência absoluta, respeito pelas minorias, respeito pela diferença, respeito pelas decisões dos tribunais, imprensa livre e plural, e, felizmente, quem critica o poder até é elogiado, pois está a prestar um bom serviço à Democracia. Uma oposição forte, fortalece o regime democrático e é um acicate para as instituições.
Aqui, o poder não existe para se servir a si mesmo e às suas cliques, mas sim, para servir a colectividade e para impulsionar todas as iniciativas que venham por bem...

Aqui, o poder não é uma sistemática oposição à oposição, mas respeita-a, aceita as suas sugestões e até a elogia quando é o caso. Enfim, o poder não está introvertido em si mesmo, não é autista, não é fóbico em relação à oposição...

Aqui o poder é a incarnação plena dos ideais de Abril...
mfc said…
Aprendi há muito a admirar e a apreciar Joaquim Pessoa.
É dos meus poetas preferidos.

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…