Skip to main content
O POMAR DAS CEREJEIRAS

Do escritor russo Anton Tchekov (1860-1904) acabo de ler «O Pomar das Cerejeiras», a peça em 4 Actos que retrata o fim da velha ordem semifeudal russa, simbolizada pela venda de um imenso pomar de cerejeiras, pertença de uma família da aristrocacia, então no fim dos seus dias.
Um agricultor que se tornou muito rico, mas que mal sabe ler e escrever, é filho e neto de pobres trabalhadores do campo, que sempre viveram na miséria. Com a sua fartura de dinheiro crê que pode comprar tudo, e com a expressão da arrogância e falta de sentimentos compra o enorme pomar de cerejeiras, o mais bonito do país, para construir no terreno uma urbanização muito rentável; é a sua ambição: ser ainda mais rico!
A peça termina com os antigos donos a partirem e ouvindo-se as portas do solar serem fechadas à chave. Reina o silêncio, e apenas se ouve o som triste dos machados a derrubar as cerejeiras.


Estou na Póvoa e espraio o olhar pela longa Avenida que atravessa a cidade, com mais de uma centena de árvores frondosas, que durante anos e anos nos deram sombra.
Fecho os olhos.
No silêncio da imaginação parece-me ouvir, em ruído de fundo, o matraquear das serras eléctricas a abaterem as árvores da Avenida...

Comments

Marx said…
Bela comparação e enquadramento. Também penso lá ir visitá-las, este fim-de-semana, talvez que pela última vez. E, se houver sol, gastar-lhes um rolo. Mesmo que tenham deixado a alameda naquele estado deplorável, com as árvores semi-decepadas, as plantas esgroviadas e os canteiros espezinhados pelo abandono. Em absoluto estertor. Certamente que para "vender" melhor o projecto de «renovação estrutural» de uma nova (?) urbanidade.

Parabéns pelo seu texto. Que situou muito bem a perda do que considero o mais valioso oásis nesta cidade do MEU sentido de urbanidade.
Caro comandante:

Tenho o ouvido bem apurado; ouço o clamor lúgubre as árvores já condenadas à morte, injustamente.
Assim, aqui vai a MALDIçAO DAS ÁRVORES, no corredor da morte, e sem terem oportunidade de se defenderem, sem terem cometido qualquer crime...


A MALDIÇÃO DAS ÁRVORES

Seres vivos, também somos
Respiramos como vós...
Crianças, também já fomos
Algumas, já são avós!...
Temos netinhos, também,
Porquê morte prematura?
Fizemos mal a alguém?!!!
Mentecaptos sem cultura...
Pacóvios sem instrução
O vosso mal não tem cura
Esse vírus da ambição
Será vossa sepultura!...
Somos pulmão da cidade!
Aval do ecossistema
E fonte de sanidade
Somos jóias em diadema!
O polvo da Macelândia
Connosco vai a enterrar
Reisetes de parolândia
O Povo irá condenar!
Dois comentários, de «marx» e de «rouxinol de bernardim»,que ajudam a reforçar a opinião dos que acreditam que pode haver soluções diferentes, talvez melhores, e que saber ouvir é preciso!
Junto da placa de inauguração da obra emblemática de M.Vieira, devia colocar-se o poema «A Maldição das Árvores», como Réquiem pela Avenida e para memória futura.

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…