Skip to main content
O POMAR DAS CEREJEIRAS

Do escritor russo Anton Tchekov (1860-1904) acabo de ler «O Pomar das Cerejeiras», a peça em 4 Actos que retrata o fim da velha ordem semifeudal russa, simbolizada pela venda de um imenso pomar de cerejeiras, pertença de uma família da aristrocacia, então no fim dos seus dias.
Um agricultor que se tornou muito rico, mas que mal sabe ler e escrever, é filho e neto de pobres trabalhadores do campo, que sempre viveram na miséria. Com a sua fartura de dinheiro crê que pode comprar tudo, e com a expressão da arrogância e falta de sentimentos compra o enorme pomar de cerejeiras, o mais bonito do país, para construir no terreno uma urbanização muito rentável; é a sua ambição: ser ainda mais rico!
A peça termina com os antigos donos a partirem e ouvindo-se as portas do solar serem fechadas à chave. Reina o silêncio, e apenas se ouve o som triste dos machados a derrubar as cerejeiras.


Estou na Póvoa e espraio o olhar pela longa Avenida que atravessa a cidade, com mais de uma centena de árvores frondosas, que durante anos e anos nos deram sombra.
Fecho os olhos.
No silêncio da imaginação parece-me ouvir, em ruído de fundo, o matraquear das serras eléctricas a abaterem as árvores da Avenida...

Comments

Marx said…
Bela comparação e enquadramento. Também penso lá ir visitá-las, este fim-de-semana, talvez que pela última vez. E, se houver sol, gastar-lhes um rolo. Mesmo que tenham deixado a alameda naquele estado deplorável, com as árvores semi-decepadas, as plantas esgroviadas e os canteiros espezinhados pelo abandono. Em absoluto estertor. Certamente que para "vender" melhor o projecto de «renovação estrutural» de uma nova (?) urbanidade.

Parabéns pelo seu texto. Que situou muito bem a perda do que considero o mais valioso oásis nesta cidade do MEU sentido de urbanidade.
Caro comandante:

Tenho o ouvido bem apurado; ouço o clamor lúgubre as árvores já condenadas à morte, injustamente.
Assim, aqui vai a MALDIçAO DAS ÁRVORES, no corredor da morte, e sem terem oportunidade de se defenderem, sem terem cometido qualquer crime...


A MALDIÇÃO DAS ÁRVORES

Seres vivos, também somos
Respiramos como vós...
Crianças, também já fomos
Algumas, já são avós!...
Temos netinhos, também,
Porquê morte prematura?
Fizemos mal a alguém?!!!
Mentecaptos sem cultura...
Pacóvios sem instrução
O vosso mal não tem cura
Esse vírus da ambição
Será vossa sepultura!...
Somos pulmão da cidade!
Aval do ecossistema
E fonte de sanidade
Somos jóias em diadema!
O polvo da Macelândia
Connosco vai a enterrar
Reisetes de parolândia
O Povo irá condenar!
Dois comentários, de «marx» e de «rouxinol de bernardim»,que ajudam a reforçar a opinião dos que acreditam que pode haver soluções diferentes, talvez melhores, e que saber ouvir é preciso!
Junto da placa de inauguração da obra emblemática de M.Vieira, devia colocar-se o poema «A Maldição das Árvores», como Réquiem pela Avenida e para memória futura.

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…