Skip to main content
REFRESCOS DE FIM DE VERÃO


Para refrescar memórias, eis quatro xaroposos refrescos «servidos» por Macedo Vieira, Dr.,presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, em meados de Janeiro de 2004 (à distância de quase 2 anos das eleições autárquicas), durante uma entrevista pública comemorativa dos 10 anos de presidência, e organizada pelo «Póvoa Semanário/Radiomar»:

- «A Oposição tem o seu trabalho, mas vale o que vale. Nós temos sete vereadores e é a nossa opinião que predomina».

- «Eu sou sócio de uma empresa familiar que gere o nosso património, e se for preciso mais, até porque já estou há dez anos na Câmara Municipal e não vivo, nem queroviver da política».

- (respondendo à pergunta se acredita que os poveiros ainda estão cada vez mais com ele)

«Sinto-o na rua. Estou de consciência plenamente tranquila, até porque a Póvoa de Varzim, hoje em dia, tem padrões de qualidade de vida equiparados às cidades europeias».

- «No dia seguinte às eleições, encontrei um gabinete completamente vazio e sem que me tivesse sido transmitido qualquer dossiê relativo à Câmara Municipal. Nessa altura, sentei-me num sofá que aí estava, deitei as mãos sobre a testa e senti-me como se tivesse o mundo inteiro sobre as minhas costas, esperando mudanças».

Comments

Fui dos que elogiei este tipo, com energia e convicção. Parecia-me competente, honesto, vertical. Aquele artigo no DN fazendo alarde da sua qualidade de médico para curar a cidade convenceu-me da sua magnanimidade, do seu poder "curativo", da sua capacidade "redentora"!!!
Humildemente confesso que me enganei!
Errare humanum est!

Mas. Ainda tenho esperança que melhore. Não sou radical...
Depois de descer ao purgatório, acredito que se regenere e faça a "limpeza" que se impõe e o seu passado exige!
napontadocais said…
Pois é, muita gente foi enrolada pelas falsas palavras desta criatura, todos os dias chegam ao meu mail histórias mirabolantes, irreais mesmo, da capacidade de mentir e faltar à palavra que o criatura tem, Rouxinol de Bernadim, perde as esperanças nele, já não tem emenda, cada dia que passa só tenho o prazer de saber que ele se está afogar na merda que fez durante todo o tempo da sua vida, mesmo antes de ser presidente
CEFAS said…
1º...quanto à oposição,lá isso não há dúvidas...

2º...pode ser sócio da empresa sem ser gerente...certo...

3º...raramente o vejo na rua...o que não deixa de ser estranho numa cidade tão boa para andar a pé...o Macedo Vieira bem que podia voltar aos seus velhos hábitos e dar uma corridas...aliás devia ser obrigatório os autarcas tirarem 1dia por semana ou por mês(?sei lá)para visitar de forma informal o concelho.Assim como faz um gerente para avaliar a satisfação dos seus clientes...haja coragem e verticalidade...

4º...É a vida...mas quem carregou o mundo já tem barbas...
CÁ 70 said…
Caro Comandante, por altura dessa entrevista, feita para celebrar os 10 anos do Presidente, também eu lhe dediquei um poema no Póvoa Semanário. Aqui o recordo.


O FORMIDÁVEL
A um presidente com dez anos


O Formidável é formidável!
Antes de mais, porque poupa ao povo o pensamento.
E, se decidindo por todos, liberta a todos da decisão,
exige de todos a dívida – diria ecológica - de gratidão!
O Formidável decide a prioridade...
e ninguém tem nada com isso:
foi eleito sem margem para dúvidas!
E ser eleito sem margem para dúvidas, dizem,
é ganhar poder de tudo saber e de tudo poder...
Mesmo assim o Formidável insiste que é dialogante:
mas esgota o diálogo nas assembleias celulares do seu próprio tecido cerebral,
onde, por destino irremediável, só é viável
o aplauso formidável à obra pré-decidida.
O Formidável impõe, então, a cor:
o ocre, porque não gosta de branco!
Pois, em esforçada teoria, diz ser coisa da Ditadura!
O Formidável gasta na obra o dinheiro que não lhe pertence...
Engana a fome do que é urgente e essencial
com girândolas de supérfluo.
Deslumbra-se o povo; palmas para o Formidável!
E assim, de obra em obra, formidavelmente decidida,
O pilim que sobejava é o suor e o pão que agora nunca chega!
Mas o Formidável, que rima com inimitável,
usa o crédito bancário que, depois de si, alguém há-de pagar...
E como tem em dívida o povo, aumenta o imposto,
aumenta a taxa, que faz aumentar o custo da casa,
que faz aumentar o custo do empréstimo,
que faz aumentar o custo do imposto,
que continua a pagar o custo da girândola,
mas que se esvairá antes de pagar o urgente e o essencial.

Teimosas, ficam as placas encomendadas, a gritar:
Obra feita no tempo em que era único o Formidável!

Que importa ficar de fora um Futuro sustentável,
se o povo se ri neste banquete intragável?


Janeiro de 2004

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…