Skip to main content
O PARQUE É UMA MINA!

O «Parque da Cidade» nasceu no tempo de Manuel Vaz, Dr., quando estava à frente da Autarquia. Foi há uma eternidade! A ideia foi agarrada pelo novo presidente, Macedo Vieira, Dr.; alguém lhe recordou que existia uma ideia..., e passou achamar-se projecto. O pulmão verde da cidade, para melhorar a qualidade de vida dos poveiros.
Já havia o lago da pedreira, que servia para brincar com barquinhos e pescar peixes distraídos. Traçar uns caminhos, plantar umas árvores, bancos aqui e além, num esquema arquitectado por quem percebesse alguma coisa, pouca, de parques: aí estava o princípio do Parque. Execução fácil e de baixo custo. Podia ter começado no dia seguinte a ter-se sentado no cadeirão do poder.
Ah! mas a tentação de todo aquele terreno, e doutros terrenos...
Passa o Parque da Cidade para o mandato seguinte; ganhou estatuto de bandeira eleitoral; constroi-se o Estádio Municipal, e basta por agora; o parque para o povo adia-se para o novo mandato (quem quiser utilizar um Parque da Cidade que vá até ao Porto ou fique-se por Vila do Conde).
Mas o Parque da Cidade há-de aparecer um dia, anos depois da apresentação pública do projecto, feito pelo próprio autarca, que agarrara a ideia. Obra essencial, como consta sempre do programa eleitoral; para melhorar a qualidade de vida dos poveiros.
Há prioridades que passam à frente das boas ideias antigas e dos projectos já anunciados e apresentados. Mais importante que o projecto do Parque da Cidade, para melhorar a qualidade de vida dos poveiros, são os projectos imobiliários.
Foi uma promessa (repetida uma vez, e outra, e outra), está portanto garantido: há-de nascer o Parque da Cidade, nem que seja só uma tabuleta, apenas com o nome.


Comments

CEFAS said…
Em teoria,o parque da cidade é muito anterior...

Consta que existia um estudo de urbanismo,pioneiro em Portugal,para a Póvoa...se algo daquilo fosse respeitado teríamos no extremo norte da cidade um parque da cidade que se estenderia do litoral até à zona das pedreiras..isso sim era um parque digno desse nome porque tratava-se de um corredor verde central entre os aglomerados populacionais da Póvoa e Aver-o-Mar...uma zona protegida como aquela que existe em Ofir..E nessa extensão tão grande não chocaria tanto vermos zonas desportivas pelo meio...

Depois na pior das hipóteses ainda seria possível ver algumas bonitas vivendas dos banhistas mais abastados e casas típicas de pescadores a norte e a sul.A cidade cresceria naturalmente em altura na zona nascente até aos nossos dias...bonito cenário não?

Mas outros vieram monte abaixo e outros interesses se alevantaram...
lavacido said…
É pá. Nem falem deste tema, porque me enoja.
Quantos se poderão gabar de ter um Estádio de futebol com tão boa localização. Quantos NÃO se poderão gabar de NÃO ter o tal parque da cidade acessível ao CIDADÃO comum, que quer dar as suas "corriditas" para manter e solidificar a sua saúde? Pagam impostos e a tal têm direito!
CHEGA DE ALDRABÍCES. ISTO PARECE MESMO A MADEIRA!

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…