Skip to main content
ESTACIONAMENTO: USOS E ABUSOS

Há o estacionamento pago, à superfície, que é uma árvore das patacas, e há o dos parques privados, pago, com tendência para a roubalheira.
Falo, agora, doutros géneros, que vemos por cá.

1. Espaços reservados para ambulâncias junto a clínicas e consultórios, com infrações sujeitas a coima e reboque.
Espaços reservados para a CMPV(vereadores) junto à CGD na Praça do Almada.
Espaços para a CMPV(ao lado da CGD, também na Pr. do A lmada.
Espaços com parquímetro, reservados para a CMPV, ao lado dos CTT.
Espaços reservados para as Finanças (Chefe e outros).

Estes e semelhantes espaços deviam indicar que a reserva é apenas em dias úteis (ou de funcionamento), e das tantas às tantas horas. Um cidadão que pretenda ser cumpridor, passa a ser artolas; se estacionar, usando a racionalidade, não escapará à fome da multa e à febre do reboque. Existe aqui um abuso dos direitos dos cidadãos e uma ofensa à sua inteligência.

2. A CMPV tem um parque privativo (com barreira), sendo as infrações sujeitas a coima e reboque, no parque do antigo quartel (aos fins de semana está vazio); tem espaços reservados na frente e ao lado da CGD, e junto aos «Serviços»(ao lado dos CTT). Como costumam dizer os «senhores», recriminando o «Zé»: «há pessoas que querem levar os carros até à porta do café ou do emprego».

3. Há carros que não são da Câmara mas utilizam os espaços a ela reservados porque têm o cartão «em serviço», com a rúbrica carimbada do presidente. Está mal!

4. Gostaria de saber:
a. com que direito utiliza um espaço reservado à CMPV a condutora dum topo de gama preto, não sendo funcionária da Câmara?
b. qual a justificação para o carro da NOTYPE (uma empresa que promove a imagem da CMPV), utilizar idênticos espaços? Os seus funcionários trabalham nos Paços do Concelho?
c. qual a razão para 1 lugar cativo da CMPV no topo norte da Rua António Graça, que existe há décadas, e onde nunca vi nenhuma viatura da Edilidade?

5. E se de usos e abusos no estacionamento mais haveria a dizer, para se ver a bagunça e o forrobodó que por aqui grassam, basta ter em conta o que foi descrito (e ilustrado) em «na ponta do cais»; leia-se e verifique-se in loco. Está lá!

Comments

UNIVERSALEX said…
Pois é...só que uns são mais "iguais do que os outros"!

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…