Skip to main content

CARTAS

«... espero que ao receber esta se encontrem todos de perfeita saúde, que nós cá ficamos bem, graças a Deus...»

Além das cartas de amor e desamor, entregues em mão ou pelo carteiro, há muitos outros tipos de cartas.

Carta de á-bê-cê, carta aberta, anónima, envenenada, carta branca;
Cartas de jogar;
Carta electrónica;
Carta constitucional, carta régia, carta de alforria;
Carta gastronómica (ou ementa), carta de vinhos;
Carta de piloto, mapa, carta de resposta, marítima, de navegação, de marear ou náutica, carta geral, carta de Mercator;
Carta geográfica, hidrográfica, de correntes, batimétrica, de ventos, de rumada, litológica, isófota, sinóptica, orobatimétrica;
Carta de corso (de marca ou de represália), carta de crença, carta partida ou de afretamento, carta de prego, carta credencial;
Carta de condução, de motorista, de marítimo, carta de instrução, carta patente, carta diploma, carta de curso;
Carta topográfica, carta celeste, carta polar;
Carta de intenções, carta estratégica;
Carta comendatícia (ou testemunhal), carta dimissória;
Carta de recomendação, de abono, de crédito, de reconhecimento;
Carta de encomenda, de saúde, de negócios, carta circular, de arrematação, de adjudicação;
Carta de intimação, de emancipação, de fiança, de meirinhado, de aforamento, de partilha, precatória, revocatória (ou revogatória), rogatória, testamentária, carta de privilégio, carta magna.

Apareceu recentemente um novo tipo de carta, da autoria do Dr. Macedo Vieira, presidente da Câmara: a CARTA DE CONFORTO; uma que lhe foi oferecida pelo CDS-PP (a acompanhar os valiosos estudos sobre a Av. Mouzinho), e outra que entregou ao sr. Padre José Gonçalves (sobre o terreno para o novo templo).
Será a Carta de Conforto almofadada e perfumada? Será lacrada?

Uma carta fora do baralho!

Comments

UNIVERSALEX said…
Comandante é quase um tratado sobre cartas.. faltam agora as "cartilhas"..eh! eh!
Para «universalex»:
Essa seria a segunda parte do «tratado»...Assim passaríamos da folha ao livro (pequeno), como a Cartilha Maternal ou a cartilha da doutrina cristã.
Agora o que não falta é quem «Leia ou reze pela mesma cartilha», que é, como sabemos, seguir a mesma doutrina, a mesma teoria, a forma de pensar ou agir sistematicamente de modo idêntico à doutra pessoa (eu diria do «Chefe»). E temos, por cá, uma certa «tropa» que até lê nas páginas em branco da cartilha, o que não deixa de ser preocupante.
--Novo Gerência no POVOAEMIMAGENS.BLOGSPOT.COM--

O

povoaemimagens.blogspot.com

está de volta... Com nova gerência e agora com um formato bem mais corrosivo... Eu coloco as imagens... Vocês comentam... Tudo que de bom e de mau há para ver pela nossa Póvoa...

Imagens são também bem-vindas para: povoaemimagens@gmail.com

E porque este blogue não vai ter censuras, numa terra de censura a única coisa que serei obrigado a censurar será a minha identidade...

ANONYMOUS POVEIRO
Caro Comandante:

Permita-me discordar do seu arrazoado. Macedo Vieira não tem originalidade nem nisto (é de há muito conhecida a "carta de conforto"...), nem no "resto"...
E a propósito de "resto" devo dizer que ele é um "imitador nato" do modus faciendi jardinesco. Nunca vi tanta similitude! Ele ainda me convenceu há alguns anos. Agora, anda devorado (sugado?) pelo vórtice de cumplicidades que, num contexto de areias movediças, o vai sugando para o abismo. Coitado, os "pecados" são tantos (veniais, capitais... sei lá...) que o "inferno" eleitoral talvez venha provar que algo vai muito podre no Reino da Macelândia!
Julgo que o movimento uniformemente acelerado para o abismo é tão evidente, que já chegou ao ponto de "não retorno". Tenho indícios que ele leu mal o conto "O Velho e o Mar" de Hemingway. É que o "pescador" vai ser "pescado" pelo velho tubarão...
E tenho pena dele...
CÁ FICO said…
Rouxinol não menospreze Alberto João..O "homem que manda" onde as batatas se cham "semilhas", até sabe cantar o fado etem um sentido de humor bem mordaz... De quem o Rouxinol que fala, esses dotes andam arredios..poderá ter outros...mas esses não os terá certamente..eh! eh!

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…