Skip to main content

CARTAS

«... espero que ao receber esta se encontrem todos de perfeita saúde, que nós cá ficamos bem, graças a Deus...»

Além das cartas de amor e desamor, entregues em mão ou pelo carteiro, há muitos outros tipos de cartas.

Carta de á-bê-cê, carta aberta, anónima, envenenada, carta branca;
Cartas de jogar;
Carta electrónica;
Carta constitucional, carta régia, carta de alforria;
Carta gastronómica (ou ementa), carta de vinhos;
Carta de piloto, mapa, carta de resposta, marítima, de navegação, de marear ou náutica, carta geral, carta de Mercator;
Carta geográfica, hidrográfica, de correntes, batimétrica, de ventos, de rumada, litológica, isófota, sinóptica, orobatimétrica;
Carta de corso (de marca ou de represália), carta de crença, carta partida ou de afretamento, carta de prego, carta credencial;
Carta de condução, de motorista, de marítimo, carta de instrução, carta patente, carta diploma, carta de curso;
Carta topográfica, carta celeste, carta polar;
Carta de intenções, carta estratégica;
Carta comendatícia (ou testemunhal), carta dimissória;
Carta de recomendação, de abono, de crédito, de reconhecimento;
Carta de encomenda, de saúde, de negócios, carta circular, de arrematação, de adjudicação;
Carta de intimação, de emancipação, de fiança, de meirinhado, de aforamento, de partilha, precatória, revocatória (ou revogatória), rogatória, testamentária, carta de privilégio, carta magna.

Apareceu recentemente um novo tipo de carta, da autoria do Dr. Macedo Vieira, presidente da Câmara: a CARTA DE CONFORTO; uma que lhe foi oferecida pelo CDS-PP (a acompanhar os valiosos estudos sobre a Av. Mouzinho), e outra que entregou ao sr. Padre José Gonçalves (sobre o terreno para o novo templo).
Será a Carta de Conforto almofadada e perfumada? Será lacrada?

Uma carta fora do baralho!

Comments

UNIVERSALEX said…
Comandante é quase um tratado sobre cartas.. faltam agora as "cartilhas"..eh! eh!
Para «universalex»:
Essa seria a segunda parte do «tratado»...Assim passaríamos da folha ao livro (pequeno), como a Cartilha Maternal ou a cartilha da doutrina cristã.
Agora o que não falta é quem «Leia ou reze pela mesma cartilha», que é, como sabemos, seguir a mesma doutrina, a mesma teoria, a forma de pensar ou agir sistematicamente de modo idêntico à doutra pessoa (eu diria do «Chefe»). E temos, por cá, uma certa «tropa» que até lê nas páginas em branco da cartilha, o que não deixa de ser preocupante.
--Novo Gerência no POVOAEMIMAGENS.BLOGSPOT.COM--

O

povoaemimagens.blogspot.com

está de volta... Com nova gerência e agora com um formato bem mais corrosivo... Eu coloco as imagens... Vocês comentam... Tudo que de bom e de mau há para ver pela nossa Póvoa...

Imagens são também bem-vindas para: povoaemimagens@gmail.com

E porque este blogue não vai ter censuras, numa terra de censura a única coisa que serei obrigado a censurar será a minha identidade...

ANONYMOUS POVEIRO
Caro Comandante:

Permita-me discordar do seu arrazoado. Macedo Vieira não tem originalidade nem nisto (é de há muito conhecida a "carta de conforto"...), nem no "resto"...
E a propósito de "resto" devo dizer que ele é um "imitador nato" do modus faciendi jardinesco. Nunca vi tanta similitude! Ele ainda me convenceu há alguns anos. Agora, anda devorado (sugado?) pelo vórtice de cumplicidades que, num contexto de areias movediças, o vai sugando para o abismo. Coitado, os "pecados" são tantos (veniais, capitais... sei lá...) que o "inferno" eleitoral talvez venha provar que algo vai muito podre no Reino da Macelândia!
Julgo que o movimento uniformemente acelerado para o abismo é tão evidente, que já chegou ao ponto de "não retorno". Tenho indícios que ele leu mal o conto "O Velho e o Mar" de Hemingway. É que o "pescador" vai ser "pescado" pelo velho tubarão...
E tenho pena dele...
CÁ FICO said…
Rouxinol não menospreze Alberto João..O "homem que manda" onde as batatas se cham "semilhas", até sabe cantar o fado etem um sentido de humor bem mordaz... De quem o Rouxinol que fala, esses dotes andam arredios..poderá ter outros...mas esses não os terá certamente..eh! eh!

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…