Skip to main content
Praia da Lagoa: Espantoso!

Não vou repetir o triste episódio da recente interdição de quatro praias da Póvoa. Insisto, todavia - e apelo - a que se apurem todas as responsabilidades, a bem de um futuro melhor.
Para se compreender o objectivo deste apontamento, que espanta, no qual a Autarquia joga um papel central, é importante memorar alguns dos factos: promessa de análises frequentes e divulgação dos resultados; atribuição das causas a factores alheios, e nunca aos esgotos; incumprimento das ordens de interdição; desrespeito pelas instruções das entidades envolvidas (CRSN, CCDR-N,Capitania); difamação (como arremesso desculpante) de dirigentes políticos e da autoridade marítima; declarações públicas levianas e torpes; silêncio absoluto do primeiro responsável (num caso de saúde pública!), Dr. Macedo Vieira, médico e presidente da Câmara.
Pois bem!
Vejamos agora a notícia do «Público», de 24 de Agosto de 2002:
Interdita a banhos a praia da Lagoa; análises revelaram presença de coliformes e salmonelas. Isto, como título. E mais em detalhe: a interdição foi decretada pelo delegado regional de saúde do Norte; as últimas análises à água do mar revelaram uma quantidade superior à permitida por lei de coliformes, estreptococos e a presença de salmonelas; a Capitania , cumprinda instruções, colocou os avisos; já no ano anterior (2001), a praia foi considerada «», no início da época balnear; o vereador do Ambiente, Manuel Angélico (o mesmo!) garantiu: que as análises foram encomendadas pela Câmara a um laboratório credenciado, com controlo quizenal, não tendo havido análises negativas; a única descarga próximo da Lagoa é do sistema de águas pluviais.
Ao fim de muitos anos e da sucessão de mandatos, repete-se o discurso irresponsável!

Não se deve permitir que se passe uma esponja por cima desta triste, vergonhosa ocorrência, para bem de todos.

Saneamento básico?! Tratamento de esgotos?! Construção de ETARs?!

Comments

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…