Skip to main content
NÃO DIGAM MAL DA PÓVOA!

Há alguns anos (ainda se publicava o «Notícias da Póvoa») realizou-se na Filantrópica um debate sobre a Comunicação Social poveira, com representantes dos quatro semanários locais. Várias questões na agenda: necessidade de tantos jornais, cobertura noticiosa da cidade e do concelho, públicos-alvo, qualidade da informação, jornalismo de investigação, independência dos poderes político e económico, etc. Ficou no ar o desejo da fusão de jornais (dois seriam suficientes, alvitrou um dos representantes), a impossibilidade de se fazer um mínimo de jornalismo de investigação, e também alguma dificuldade do jornalista em «sair fora dos trilhos». Unânime foi a opinião de que seria preciso informar com verdade.
Da assistência alguém pediu a palavra para dizer que tinha que haver algum cuidado naquilo que certos cronistas escreviam, os quais não deviam dizer mal da Póvoa, pois seria uma má imagem que se passava aos nossos emigrantes. De pasmar!
Quando o poder autárquico é o primeiro a não cumprir as leis e regulamentos que se destinam a melhorar a nossa qualidade de vida, quando esse poder considera prioritárias as
obras de lucro fácil e não as necessidades básicas, quando os mesmos responsáveis não promovem as verdadeiras potencialidades da terra e das suas gentes, há só uma saída de verdadeiro poveiro: denunciar as situações anómalas, embora isso nos custe, porque óptimo seria estarmos todos de parabéns. Não é o caso, nos tempos que correm.
E quem pactua com este estado de coisas não está a ser um cidadão (poveiro) de corpo inteiro.

Comments

CÁ FICO said…
deve-se dizer mal do que está mal ebem do que está bem...
se a Póvoa está mal deve dizer-se a verdade...Se aPóvoa está bem deve dizer-se averdade também..

OMITIR TAMBÈM É MENTIR!
CÁ 70 said…
Evidentemente, Caro Comandante!

São confrangedores e motivo de perplexidade a omissão e o branqueamento das ilegalidades e da incompetência dos responsáveis pelo governo local. Esconder a verdade é o primeiro passo para manter a podridão. É um gesto de cumplicidade que alguns teimam em fazer em nome de uma hipócrita defesa do bom nome da Póvoa, mas que não é mais que o prestar de vassalagem aos poderosos que se temem ou quem com oportunisticamente convém manter a porta aberta ao favor eventualmente necessário. Há gente assim. Que só sabe estar com o Poder. É um vício. Conheço alguns que sempre lamberam as botas a Manuel Vaz, que agora o elegem culpado de todas as culpas, ao mesmo tempo que lambem as botas de Macedo Vieira. Um MV por outro MV...

Mas, o bom nome de uma terra defense-se com rigor, com conhecimento, com verdade e com um combate sem tréguas à deriva dos valores éticos e morais que, de um modo ou de outro, se tem reflectido na forma da cidade e no seu modelo de desenvolvimento.

O inconformismo é renovador e factor de progresso. O silêncio cobarde de ocasião, a troco das migalhas de um sorriso do Poder ou de alguma benesse, é contrário ao bem comum!

J.J.Silva Garcia

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…