Skip to main content
NÃO DIGAM MAL DA PÓVOA!

Há alguns anos (ainda se publicava o «Notícias da Póvoa») realizou-se na Filantrópica um debate sobre a Comunicação Social poveira, com representantes dos quatro semanários locais. Várias questões na agenda: necessidade de tantos jornais, cobertura noticiosa da cidade e do concelho, públicos-alvo, qualidade da informação, jornalismo de investigação, independência dos poderes político e económico, etc. Ficou no ar o desejo da fusão de jornais (dois seriam suficientes, alvitrou um dos representantes), a impossibilidade de se fazer um mínimo de jornalismo de investigação, e também alguma dificuldade do jornalista em «sair fora dos trilhos». Unânime foi a opinião de que seria preciso informar com verdade.
Da assistência alguém pediu a palavra para dizer que tinha que haver algum cuidado naquilo que certos cronistas escreviam, os quais não deviam dizer mal da Póvoa, pois seria uma má imagem que se passava aos nossos emigrantes. De pasmar!
Quando o poder autárquico é o primeiro a não cumprir as leis e regulamentos que se destinam a melhorar a nossa qualidade de vida, quando esse poder considera prioritárias as
obras de lucro fácil e não as necessidades básicas, quando os mesmos responsáveis não promovem as verdadeiras potencialidades da terra e das suas gentes, há só uma saída de verdadeiro poveiro: denunciar as situações anómalas, embora isso nos custe, porque óptimo seria estarmos todos de parabéns. Não é o caso, nos tempos que correm.
E quem pactua com este estado de coisas não está a ser um cidadão (poveiro) de corpo inteiro.

Comments

CÁ FICO said…
deve-se dizer mal do que está mal ebem do que está bem...
se a Póvoa está mal deve dizer-se a verdade...Se aPóvoa está bem deve dizer-se averdade também..

OMITIR TAMBÈM É MENTIR!
CÁ 70 said…
Evidentemente, Caro Comandante!

São confrangedores e motivo de perplexidade a omissão e o branqueamento das ilegalidades e da incompetência dos responsáveis pelo governo local. Esconder a verdade é o primeiro passo para manter a podridão. É um gesto de cumplicidade que alguns teimam em fazer em nome de uma hipócrita defesa do bom nome da Póvoa, mas que não é mais que o prestar de vassalagem aos poderosos que se temem ou quem com oportunisticamente convém manter a porta aberta ao favor eventualmente necessário. Há gente assim. Que só sabe estar com o Poder. É um vício. Conheço alguns que sempre lamberam as botas a Manuel Vaz, que agora o elegem culpado de todas as culpas, ao mesmo tempo que lambem as botas de Macedo Vieira. Um MV por outro MV...

Mas, o bom nome de uma terra defense-se com rigor, com conhecimento, com verdade e com um combate sem tréguas à deriva dos valores éticos e morais que, de um modo ou de outro, se tem reflectido na forma da cidade e no seu modelo de desenvolvimento.

O inconformismo é renovador e factor de progresso. O silêncio cobarde de ocasião, a troco das migalhas de um sorriso do Poder ou de alguma benesse, é contrário ao bem comum!

J.J.Silva Garcia

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…