Skip to main content
OS «NOSSOS» ARQUITECTOS

O número não faz a qualidade, mas conta. Não será fácil imaginar quantos arquitectos temos aqui, ao pé da porta. Na Póvoa e em Vila do Conde, entre residentes ou com escritório, ou no exercício doutras funções, ronda a centena!
Qualidade não falta, tenho a certeza: há jóvens talentosos, que conhecemos, e outros profissionais com provas dadas, que são de todos conhecidos.
O que acontece é que a Póvoa de Varzim não é sabida pelas obras concebidas pelos «seus» arquitectos. E devia sê-lo. A Póvoa não tem sido, decididamente, uma cidade de arquitectos.
Para dar a volta a isto poderia organizar-se na Póvoa o «Mês da Arquitectura», com exposições executadas pelos arquitectos interessados, divididos em grupos e por semanas, em locais de referência, como o Diana-Bar, a Biblioteca Municipal e a Filantrópica, por exemplo.
Seria um atractivo no cartaz cultural da Póvoa, um estímulo e um incentivo para os jóvens que poderiam descobrir aí a sua vocação, e uma prova de reconhecimento e apreço para com os «nossos» arquitectos. E uma ou duas conferências, que se adivinham necessárias, completariam o programa do ano.
A Póvoa ficaria, sem dúvida, culturalmente mais rica.

Comments

O alvitre parece excelente. Mas a excelência é hoje em dia persona non grata num mundo cada vez mais utilitarista, mercenário e incapaz de dar valor à qualidade, se ela for, ainda que em pequena escala, inimiga do populismo e do desenrascanço...

Honi soit qui mal y pense!
CÁ FICO said…
DISCORDO Terminantemente...

GERIR é OPTIMIZAR RECURSOS...
Não desperdiçar...
.. Não existe gestão privada ou gestão publica.. existe sim BOA ou Má Gestão...
Há coisas e loisas!

E a "cunha" é o desperdicio...

A arquitectura fez obras notáveis na "IDADE MÉDIA"...Mas o POVO esse SOFRE COM os arquitectos ecom a arquitectura...
....A arte não pode ser imposta!

.. e os arquitectos são "artistas"
que impõem violenta e juridicamente a sua arte aos demais...E Normalmente e em linguagem popular "OS ARQUITECTOS TÊM OS GOSTOS ESTRAGADOS".. e se calhar aculpa nem sequer é deles, mas antes da "ditadura das escolas de arquitectura" oui de quemtem mandado e ainda manda na arquitectura em Portugal... O REGIME do 25 de Abril ainda não fez arquitectura, fez sim imponentesobras de engenharia (os engenheiros podem estar orgulhosos)...e essas mentes àvaras da hoje arquitectura em Portugal tem que engolir o quede boa arquitectura foifeita em portugal e colónias no tempo do ESTADO NOVO (Salazar e Caetano)...
Se o vento soprasse sempre e só dum bordo seria cansativo...
«cá fico» tem a sua opinião(que se respeita)- com que então nada de mostras de Arquitectura ?!; doutro bordo «sopra» o vento com a opinião de «rouxinol de bernardim», que acha excelente o alvitre.
Empatados! Altura para eu «arquitectar» um voto de qualidade...
Com amizade,
Manuel C.D.Figueiredo
UNIVERSALEX said…
Mais ou menos como diz o Abel Maia no Primeiro de Janeiro..O importante é que haja discussão...epara haver discussão é preciso que exista opinião e critica...

Eis:
Einmal ist keinmal

Abel Maia *

Miguel Paiva fez-me lembrar Milan Kundera n’ A insustentável leveza do ser. Pela segunda vez consecutiva repete uma versão parecida com a dicotomia da leveza e do peso. O passado caro Miguel é leve ///
///Pode lembrar, caro Miguel, lembre o que quiser, porque a questão não é de merecimento como pugna, nem tão pouco de reciprocidade, como tive a tentação contida de aflorar. A questão é outra e como lembra Kundera: Einmal ist Keinmal (uma vez é nunca). Da próxima vez caro amigo tertuliano não sopre, escreva! "

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…