Skip to main content
OS «NOSSOS» ARQUITECTOS

O número não faz a qualidade, mas conta. Não será fácil imaginar quantos arquitectos temos aqui, ao pé da porta. Na Póvoa e em Vila do Conde, entre residentes ou com escritório, ou no exercício doutras funções, ronda a centena!
Qualidade não falta, tenho a certeza: há jóvens talentosos, que conhecemos, e outros profissionais com provas dadas, que são de todos conhecidos.
O que acontece é que a Póvoa de Varzim não é sabida pelas obras concebidas pelos «seus» arquitectos. E devia sê-lo. A Póvoa não tem sido, decididamente, uma cidade de arquitectos.
Para dar a volta a isto poderia organizar-se na Póvoa o «Mês da Arquitectura», com exposições executadas pelos arquitectos interessados, divididos em grupos e por semanas, em locais de referência, como o Diana-Bar, a Biblioteca Municipal e a Filantrópica, por exemplo.
Seria um atractivo no cartaz cultural da Póvoa, um estímulo e um incentivo para os jóvens que poderiam descobrir aí a sua vocação, e uma prova de reconhecimento e apreço para com os «nossos» arquitectos. E uma ou duas conferências, que se adivinham necessárias, completariam o programa do ano.
A Póvoa ficaria, sem dúvida, culturalmente mais rica.

Comments

O alvitre parece excelente. Mas a excelência é hoje em dia persona non grata num mundo cada vez mais utilitarista, mercenário e incapaz de dar valor à qualidade, se ela for, ainda que em pequena escala, inimiga do populismo e do desenrascanço...

Honi soit qui mal y pense!
CÁ FICO said…
DISCORDO Terminantemente...

GERIR é OPTIMIZAR RECURSOS...
Não desperdiçar...
.. Não existe gestão privada ou gestão publica.. existe sim BOA ou Má Gestão...
Há coisas e loisas!

E a "cunha" é o desperdicio...

A arquitectura fez obras notáveis na "IDADE MÉDIA"...Mas o POVO esse SOFRE COM os arquitectos ecom a arquitectura...
....A arte não pode ser imposta!

.. e os arquitectos são "artistas"
que impõem violenta e juridicamente a sua arte aos demais...E Normalmente e em linguagem popular "OS ARQUITECTOS TÊM OS GOSTOS ESTRAGADOS".. e se calhar aculpa nem sequer é deles, mas antes da "ditadura das escolas de arquitectura" oui de quemtem mandado e ainda manda na arquitectura em Portugal... O REGIME do 25 de Abril ainda não fez arquitectura, fez sim imponentesobras de engenharia (os engenheiros podem estar orgulhosos)...e essas mentes àvaras da hoje arquitectura em Portugal tem que engolir o quede boa arquitectura foifeita em portugal e colónias no tempo do ESTADO NOVO (Salazar e Caetano)...
Se o vento soprasse sempre e só dum bordo seria cansativo...
«cá fico» tem a sua opinião(que se respeita)- com que então nada de mostras de Arquitectura ?!; doutro bordo «sopra» o vento com a opinião de «rouxinol de bernardim», que acha excelente o alvitre.
Empatados! Altura para eu «arquitectar» um voto de qualidade...
Com amizade,
Manuel C.D.Figueiredo
UNIVERSALEX said…
Mais ou menos como diz o Abel Maia no Primeiro de Janeiro..O importante é que haja discussão...epara haver discussão é preciso que exista opinião e critica...

Eis:
Einmal ist keinmal

Abel Maia *

Miguel Paiva fez-me lembrar Milan Kundera n’ A insustentável leveza do ser. Pela segunda vez consecutiva repete uma versão parecida com a dicotomia da leveza e do peso. O passado caro Miguel é leve ///
///Pode lembrar, caro Miguel, lembre o que quiser, porque a questão não é de merecimento como pugna, nem tão pouco de reciprocidade, como tive a tentação contida de aflorar. A questão é outra e como lembra Kundera: Einmal ist Keinmal (uma vez é nunca). Da próxima vez caro amigo tertuliano não sopre, escreva! "

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…