Skip to main content
OPOSIÇÃO

«Com oposições assim, o Governo vai andando, apesar de ter algum
trabalho de casa mal feito».

(José Leite Pereira, in JN de 21.07.2006)


Sem recorrer ao texto completo, percebe-se que o autor pretende classificar a Oposição ao Governo (as oposições) como gente mole, pouco activa, e sem alternativas credíveis para os problemas que o Governo vai (ou não vai) atirando para a liça. Ora, uma tal paz podre convém à governação, que vai orientando o barco como lhe convém. Isto não serve, está bom de ver, aos interesses da boa política de todos nós.
Se transplantarmos este estado de alma para a governação caseira, pior ainda, porque os olhares do mundo nacional não são os mesmos dos de cá, e há apenas a oposição de um partido (um terço do executivo). Como se sabe, a Lei determinou um Estatuto da Oposição, que tem que ser respeitado pela maioria reinante; e a oposição tem igualmente o dever de estudar os assuntos a discutir, e apresentar alternativas, se for caso disso, e pode e deve apresentar propostas justificadas.
O que se tem verificado é que o tempo inteiro de que goza a maioria é insuficiente para apresentar uma política local que se perceba (mesmo que conste no seu programa eleitoral), e é insuficiente e as capacidades são escassas para tratar devidamente as alternativas propostas. Daí resulta uma das razões do azedume de que dá mostras a maioria, e que lhe tem servido para exibir alguma actividade.
Tomara, devem então pensar, que a oposição fosse mole, pouco activa e incompetente; continuar-se-ia a viver no melhor dos reinos!

Comments

CÁ FICO said…
EM PORTUGAL existe a ideia de que fazer mudança de Leis e mais leis é a solução para a CRISE...Mas estou como diz o meu amigo AJS:
- "Querem resolver o problema do país?Fechem a Assembleia da República!"

Mudar legislação não resolve nada...Já o disse quando o manager da Iberdrola era ministro das finanças e mudou a legislação fiscal.. e os factos provam o que digo...

Querem mais evidencias? Desde o tempo do Cavaco a PM que os sucessivos governos vem mudando legislação judicial, Tribunais, leis de processo, notariado,injunções e execuções...só pioraram as coisas...

A solução é outra...
Tem a ver com métodos de gestão...

Gerir não é economizar ou contabilizar...ao contrário do que muitas "Escolas Superiores" do ramo parecem querer fazer crer...

GERIR é OPTIMIZAR RECURSOS...
Não desperdiçar...
.. Não existe gestão privada ou gestão publica.. existe sim BOA ou Má Gestão...
Há coisas e loisas!

E a "cunha" é o desperdicio...

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…