Skip to main content
Medalhas e Comendas

Esta é a época de medalhas e comendas, de público reconhecimento aos portugueses que, nas mais diversas áreas de actividade, se têm distinguido por actos continuados de dedicaçaõ a causas nobres e pelo trabalho valoroso a favor do progresso do país e da humanidade.
A data escolhida é o Dia de Portugal, que abraça os feitos lusos de antanho e os sentimentos que ligam os portugueses espalhados pelo mundo. É um dia maior na vida nacional, que agora se celebra sem o aparato militarizado e falsamente participativo do povo bom e ingénuo que dantes enchia o Terreiro do Paço.
Agora somos nós que prestamos a nossa homenagem àqueles que por actos valorosos se distinguiram; fazêmo-lo por intermédio do Presidente da República, que nos representa, e se baseia nos elementos indicados por um grupo de conselho e na linha de princípios que o próprio estabelece.
Pode o desconhecimento das individualidades ou instituições levar-nos à discordância, que será relevada quando as justificações forem conhecidas. Acontece, algumas vezes, que o cidadão distinguido é-o por mérito próprio e também porque simboliza a profissão a que pertence. Não esqueço a imagem que vivamente retenho daquela professora do ensino básico, já idosa, condecorada num 10 de Junho, pela extrema dedicação que devotou ao ensino, geração após geração, e que o Presidente da República pretendeu (como foi dito), por seu intermédio homenagear todos os professores que dedicam a sua vida à missão nobre de valorizar os portugueses.
Por seu turno, quem recebe o louvor público é um de entre outros, que igualmente o mereciam, mas cabe-lhes ser, e com honra, o guardião da homenagem que nós, os seus concidadãos, lhe prestamos.

Comments

CÁ FICO said…
"ainda sou do tempo da professora primária que dava reguadas aos alunos pelos erros de ortografia, aritmética e ciências naturais e história..."
Arégua estava sempre ali à espera...E na correcção dos ditados ficavamos lividos e temerosos, não havia ninguém que não inaugurasse aregua nesses dias, tendo em conta que at´a falta de um assento pu um tracinho era sinal de reguada...
Eu apanhava poucas.. e a ciências da natureza sabia de cor o nome das serras dos rios, o que era uma oliveira, uma videira,um pinheiro etc, etc,.. só não sabia o que era um cajueiro, um imbondeiro, ou uma múcua...e éssas eram árvores da minha terra natal Angola!
As condecorações são um fenómeno natural e uma prática pedagógica, só que, por vezes, tendem a ser uma espécie de "troca de favor": votaste em mim, vou gratificar-te.

É claro que poderá haver um mérito intrínseco subjacente à comenda e, em simultâneo, uma prebenda. Mas temos que ser honestos, estes aureolados mereceram o penduricalho.
Noutros casos, enfim...
UNIVERSALEX said…
Melhor do que receber uma medalha é ser da Maçonaria..ou do Opus Dei...Pertencer a uma Ordem religiósa ou dignatária por convicção e não por condecoração...
Então Comandante?
Não se escreve?
UNIVERSALEX said…
This comment has been removed by a blog administrator.
UNIVERSALEX said…
lamento...

queria apenas corrigir os erros ortográficos do post anterior mas não fiz bem a operação e foi tudo ao ar...

de qualquer maneira visitem abandeira laranja do muitogrosso...

Bom S.Pedro

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…