Skip to main content
Medalhas e Comendas

Esta é a época de medalhas e comendas, de público reconhecimento aos portugueses que, nas mais diversas áreas de actividade, se têm distinguido por actos continuados de dedicaçaõ a causas nobres e pelo trabalho valoroso a favor do progresso do país e da humanidade.
A data escolhida é o Dia de Portugal, que abraça os feitos lusos de antanho e os sentimentos que ligam os portugueses espalhados pelo mundo. É um dia maior na vida nacional, que agora se celebra sem o aparato militarizado e falsamente participativo do povo bom e ingénuo que dantes enchia o Terreiro do Paço.
Agora somos nós que prestamos a nossa homenagem àqueles que por actos valorosos se distinguiram; fazêmo-lo por intermédio do Presidente da República, que nos representa, e se baseia nos elementos indicados por um grupo de conselho e na linha de princípios que o próprio estabelece.
Pode o desconhecimento das individualidades ou instituições levar-nos à discordância, que será relevada quando as justificações forem conhecidas. Acontece, algumas vezes, que o cidadão distinguido é-o por mérito próprio e também porque simboliza a profissão a que pertence. Não esqueço a imagem que vivamente retenho daquela professora do ensino básico, já idosa, condecorada num 10 de Junho, pela extrema dedicação que devotou ao ensino, geração após geração, e que o Presidente da República pretendeu (como foi dito), por seu intermédio homenagear todos os professores que dedicam a sua vida à missão nobre de valorizar os portugueses.
Por seu turno, quem recebe o louvor público é um de entre outros, que igualmente o mereciam, mas cabe-lhes ser, e com honra, o guardião da homenagem que nós, os seus concidadãos, lhe prestamos.

Comments

CÁ FICO said…
"ainda sou do tempo da professora primária que dava reguadas aos alunos pelos erros de ortografia, aritmética e ciências naturais e história..."
Arégua estava sempre ali à espera...E na correcção dos ditados ficavamos lividos e temerosos, não havia ninguém que não inaugurasse aregua nesses dias, tendo em conta que at´a falta de um assento pu um tracinho era sinal de reguada...
Eu apanhava poucas.. e a ciências da natureza sabia de cor o nome das serras dos rios, o que era uma oliveira, uma videira,um pinheiro etc, etc,.. só não sabia o que era um cajueiro, um imbondeiro, ou uma múcua...e éssas eram árvores da minha terra natal Angola!
As condecorações são um fenómeno natural e uma prática pedagógica, só que, por vezes, tendem a ser uma espécie de "troca de favor": votaste em mim, vou gratificar-te.

É claro que poderá haver um mérito intrínseco subjacente à comenda e, em simultâneo, uma prebenda. Mas temos que ser honestos, estes aureolados mereceram o penduricalho.
Noutros casos, enfim...
UNIVERSALEX said…
Melhor do que receber uma medalha é ser da Maçonaria..ou do Opus Dei...Pertencer a uma Ordem religiósa ou dignatária por convicção e não por condecoração...
Então Comandante?
Não se escreve?
UNIVERSALEX said…
This comment has been removed by a blog administrator.
UNIVERSALEX said…
lamento...

queria apenas corrigir os erros ortográficos do post anterior mas não fiz bem a operação e foi tudo ao ar...

de qualquer maneira visitem abandeira laranja do muitogrosso...

Bom S.Pedro

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…