Skip to main content
Dia do Ambiente

Por ser o Dia do Ambiente, recordamos aqui as duas principais matanças de choupos e plátanos que ocorreram na nossa cidade. A primeira, há alguns anos já, aconteceu numa operação surpresa na Praça João XXIII, com os protestos dos pássaros que ali tinham o seu habitat, e de quase todos os moradores que por vários meios expressaram na altura a sua revolta.
A justificação esfarrapada dada pelo comandante da operação de abate foi a de que as raízes das árvores entravam pelas garagens e canalizações dos prédios, mas crê-se que foi para acalmar os ânimos e o susto de um compincha que um dia sentiu as raízes a treparem pela sua sanita. Coisas do diabo!
A segunda matança, esta de perigosos plátanos, sucedeu há poucas semanas na Praça Luís de Camões. Neste caso, as queixas foram de duas espécies: as alergias que o algodão das árvores provocava nos alunos da Escola Secundária Rocha Peixoto, e de um morador que, com tão frondosas copas, não conseguia enxergar a vizinha do lado oposto, sempre que ela à noite se desnudava.
Disse o vereador ambientalista do nosso município que esta última operação visou satisfazer as muitas queixas de alunos daquela escola, pelas alergias que as árvores lhes causavam. Não explicou o engenheiro-civil vereador quantas das queixas de alergias foram confirmadas por médicos alergologistas. Mais fácil que certificar-se da veracidade das queixas e das causas das alergias foi abaterem-se as árvores, mas ficaram algumas para protegerem dos ares marítimos as que entretanto forem plantadas, mais conformes com a noção de árvore citadina (e essas que ficaram não causam alergias?).
«O plátano pode causar uma doença alérgica, mas é pouco provável», afirma o director do serviço de Imuno-Alergologia do Hospital de Santa Maria. E acrescenta ainda o clínico: «é preciso ter atenção, provar que as alergias são provocadas pelos plátanos; não se vá abatê-los sem ter essa certeza».

Comments

CÁ FICO said…
UMA CIDADE VERDE sem cinzentismo e janelas qb torna os cidadãos mais saudáveis...
A Póvoa está cada vez menos verde e mais cinzentona...

e com as obras na avenida mouzinho lá vai á vida um importante pulmão na cidade...MV não sendo benfiquista tem horror ao verde...
UNIVERSALEX said…
entrar num blog e não deixar um comentário é no minimo falta de educação...

abuso é assinar como anónima...
Kvuspariu said…
Caro amigo Comandante…
Numa coisa sinto-me obrigado a concordar consigo, os espaço verdes nunca são demais. Desde que bem cuidados e devidamente corrigidos…
Venho cá lembrar-lhe que os plátanos a que se refere, esses continuam lá bem plantados, sendo que esta espécie, desde que bem podada, raramente causa qualquer tipo de alergia aos seres humanos, embora não esteja fora de questão, que aconteça.
No entanto, informo-o que, as árvores abatidas eram choupos, e estes sim! São factor de inúmeras alergias nos seres humanos. Estou em crer que a sua parcialidade o levou a cometer um grave pecado… A ignorância… E a cegueira de quem não quer ver. Informo-o também que os choupos são árvores deveras frágeis, e o corte de uma pequena raiz, ou uma simples poda podem provocar-lhe graves danos na sua saúde, sendo um pequeno passo para que aconteça uma tragédia, porque por ali passam diariamente centenas de alunos. E depois lá apareceriam a mesmas virgens marias, que agora se manifestam contundentemente contra o abate das árvores, a reclamar a cabeça deste ou daquele… Tenha pelo menos seriedade naquilo que escreve! Caso a sua cegueira o permita, aconselho-o a estudar com afinco estas espécies, para não as confundir. Pena que este tipo de bibliografia só exista, com maior frequência, em Espanhol…
Para finalizar e porque nas suas afirmações, põe em causa a competência, idoneidade e sobretudo o trabalho de técnicos especializados, aconselho-o a dirigir-se lá para os lados da Praça do Almada e solicitar aos técnicos responsáveis pelos espaços verdes, deste município, todos os esclarecimentos que pretender. Certamente que esta informação não será negada a um munícipe.
Caro kvuspariu,
Agradeço as suas chamadas de atenção para o erro que cometi: chamar plátanos aos choupos; confesso que não me certifiquei sobre o género de árvore(já tinham sido abatidas), mas como me baseei na notícia de um jornal, que assim apelidava aquelas espécies, tomei-a como acertada; e como então ninguém reagiu...
Como é claro, não me referi aos técnicos nem pus em causa as suas competências (basta voltar a ler o texto); tratando-se de uma decisão política, servi-me do parecer do médico alergologista que recomendava aquilo que todos nós julgamos saber: pensar bem antes duma decisão, que pode ser irreversível.
Quanto aos qualificativos que generosamente me atribui, esteja à vontade: não me encaixam.
E para terminar, permita-me uma pequena nota: não basta saber ler, é essencial saber interpretar o texto, e mais difícil ainda é atingir o que o autor pretende significar. Mas isso, como deve imaginar, não está ao alcance de qualquer um.
Com os melhores cumprimentos,
M.Figueiredo
Pobeirinho said…
Meus caros,
estou espantado...Nas cidades europeias as árvores duvidosas para a saúde publica e que atingem proporções de grande porte não são plantadas. os choupos provocam alergias à maioria das pessoas. Por esse motivo acho muito bem o bate destas árvores e a substituição por mais pequenas

Popular posts from this blog

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.

O CV DE VANESSA

 O CV DE VANESSA


     Depois de anos de bons serviços - muito trabalho - a Josefa deixou de servir na casa do morgado, senhor da terra. Não importam as razões, mais as suspeitas que as conhecidas.
     Além da trouxa com os pequenos haveres, e da generosa paga, a Fina, assim conhecida, foi servir para outra casa. Levava consigo uma carta de recomendação a atestar o profissionalismo, a dedicação e a honestidade com que sempre serviu o senhor morgado.
     Valendo como passaporte para uma vida talvez melhor, a meia dúzia de linhas da carta de recomendação era o Curriculum Vitae daqueles tempos passados na quinta.

     Os anúncios de oferta de emprego são taxativos: M/F (será escolhido o candidato que der mais lucro à empresa); 12º ano de escolaridade (têm preferência os licenciados: no começo das carreiras não protestam); conhecimento de línguas estrangeiras (o português não é prioritário); experiência anterior (pesa pouco: se tem experiência, o candidato já não será um jovem); carta de con…