Skip to main content
Dia do Ambiente

Por ser o Dia do Ambiente, recordamos aqui as duas principais matanças de choupos e plátanos que ocorreram na nossa cidade. A primeira, há alguns anos já, aconteceu numa operação surpresa na Praça João XXIII, com os protestos dos pássaros que ali tinham o seu habitat, e de quase todos os moradores que por vários meios expressaram na altura a sua revolta.
A justificação esfarrapada dada pelo comandante da operação de abate foi a de que as raízes das árvores entravam pelas garagens e canalizações dos prédios, mas crê-se que foi para acalmar os ânimos e o susto de um compincha que um dia sentiu as raízes a treparem pela sua sanita. Coisas do diabo!
A segunda matança, esta de perigosos plátanos, sucedeu há poucas semanas na Praça Luís de Camões. Neste caso, as queixas foram de duas espécies: as alergias que o algodão das árvores provocava nos alunos da Escola Secundária Rocha Peixoto, e de um morador que, com tão frondosas copas, não conseguia enxergar a vizinha do lado oposto, sempre que ela à noite se desnudava.
Disse o vereador ambientalista do nosso município que esta última operação visou satisfazer as muitas queixas de alunos daquela escola, pelas alergias que as árvores lhes causavam. Não explicou o engenheiro-civil vereador quantas das queixas de alergias foram confirmadas por médicos alergologistas. Mais fácil que certificar-se da veracidade das queixas e das causas das alergias foi abaterem-se as árvores, mas ficaram algumas para protegerem dos ares marítimos as que entretanto forem plantadas, mais conformes com a noção de árvore citadina (e essas que ficaram não causam alergias?).
«O plátano pode causar uma doença alérgica, mas é pouco provável», afirma o director do serviço de Imuno-Alergologia do Hospital de Santa Maria. E acrescenta ainda o clínico: «é preciso ter atenção, provar que as alergias são provocadas pelos plátanos; não se vá abatê-los sem ter essa certeza».

Comments

CÁ FICO said…
UMA CIDADE VERDE sem cinzentismo e janelas qb torna os cidadãos mais saudáveis...
A Póvoa está cada vez menos verde e mais cinzentona...

e com as obras na avenida mouzinho lá vai á vida um importante pulmão na cidade...MV não sendo benfiquista tem horror ao verde...
UNIVERSALEX said…
entrar num blog e não deixar um comentário é no minimo falta de educação...

abuso é assinar como anónima...
Kvuspariu said…
Caro amigo Comandante…
Numa coisa sinto-me obrigado a concordar consigo, os espaço verdes nunca são demais. Desde que bem cuidados e devidamente corrigidos…
Venho cá lembrar-lhe que os plátanos a que se refere, esses continuam lá bem plantados, sendo que esta espécie, desde que bem podada, raramente causa qualquer tipo de alergia aos seres humanos, embora não esteja fora de questão, que aconteça.
No entanto, informo-o que, as árvores abatidas eram choupos, e estes sim! São factor de inúmeras alergias nos seres humanos. Estou em crer que a sua parcialidade o levou a cometer um grave pecado… A ignorância… E a cegueira de quem não quer ver. Informo-o também que os choupos são árvores deveras frágeis, e o corte de uma pequena raiz, ou uma simples poda podem provocar-lhe graves danos na sua saúde, sendo um pequeno passo para que aconteça uma tragédia, porque por ali passam diariamente centenas de alunos. E depois lá apareceriam a mesmas virgens marias, que agora se manifestam contundentemente contra o abate das árvores, a reclamar a cabeça deste ou daquele… Tenha pelo menos seriedade naquilo que escreve! Caso a sua cegueira o permita, aconselho-o a estudar com afinco estas espécies, para não as confundir. Pena que este tipo de bibliografia só exista, com maior frequência, em Espanhol…
Para finalizar e porque nas suas afirmações, põe em causa a competência, idoneidade e sobretudo o trabalho de técnicos especializados, aconselho-o a dirigir-se lá para os lados da Praça do Almada e solicitar aos técnicos responsáveis pelos espaços verdes, deste município, todos os esclarecimentos que pretender. Certamente que esta informação não será negada a um munícipe.
Caro kvuspariu,
Agradeço as suas chamadas de atenção para o erro que cometi: chamar plátanos aos choupos; confesso que não me certifiquei sobre o género de árvore(já tinham sido abatidas), mas como me baseei na notícia de um jornal, que assim apelidava aquelas espécies, tomei-a como acertada; e como então ninguém reagiu...
Como é claro, não me referi aos técnicos nem pus em causa as suas competências (basta voltar a ler o texto); tratando-se de uma decisão política, servi-me do parecer do médico alergologista que recomendava aquilo que todos nós julgamos saber: pensar bem antes duma decisão, que pode ser irreversível.
Quanto aos qualificativos que generosamente me atribui, esteja à vontade: não me encaixam.
E para terminar, permita-me uma pequena nota: não basta saber ler, é essencial saber interpretar o texto, e mais difícil ainda é atingir o que o autor pretende significar. Mas isso, como deve imaginar, não está ao alcance de qualquer um.
Com os melhores cumprimentos,
M.Figueiredo
Pobeirinho said…
Meus caros,
estou espantado...Nas cidades europeias as árvores duvidosas para a saúde publica e que atingem proporções de grande porte não são plantadas. os choupos provocam alergias à maioria das pessoas. Por esse motivo acho muito bem o bate destas árvores e a substituição por mais pequenas

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…