Skip to main content
Relativa Liberdade de Expressão

Há cerca de três meses, João Paulo Guerra escrevia na sua coluna habitual no «Diário Económico», uma crónica a que deu o título «Mau Gosto e Falta de Senso». Isto a propósito do insólito caso de um ministro italiano ter mandado fazer, vestir e distribuir T-shirts com as famosas caricaturas do profeta do Islão, atitude que até o ex-primeiro ministro Berlusconi condenou.
Vem isto a propósito de quê? Simplesmente pela semelhança do título que empreguei, no verão passado, numa crónica que escrevi para o (então renovado) «Comércio da Póvoa de Varzim», cujo título era «Mau Gosto e Pouca Vergonha», sobre o desplante tido pela nossa Câmara Municipal (e pelas justificações dadas) na colocação de cartazes alaranjados relativos à Póvoa, em período de pré-campanha eleitoral.
Parte dessa crónica, focando outra realidade imbecil, foi aqui referida num texto anterior.
Não se pretendeu ofender ninguém, mas apenas mostrar a nossa discordância com desmandos que atingem a nossa inteligência. Além disso, sabe-se a dificuladade que teriam em desmentir o que se escreveu.
Não entendeu assim o jornal que, sem qualquer explicação, decidiu não publicar a crónica; saiu claramente em defesa de qualquer coisa, deixando para trás a defesa dos interesses locais (da Póvoa e dos Poveiros), como sempre foi o seu lema.
Neste caso de imprensa caseira foi atacada a liberdade de expressão, e a arma usada foi o silêncio. Seria legítimo saber-se quem ficou a ganhar com tal procedimento (e a ganhar o quê?).
Até que isso aconteça - se acontecer - fica a ideia de ter havido mesmo falta de senso.

Comments

UNIVERSALEX said…
Comandante...Há muita gente a querer calar muito outra gente...

E o pior de tudo é que muitas vezes até conseguem que as pessoas embora injustiçadas se calem...

e que, perde é a liberdade e a democracia...

Não basta dizer que se vive democráticamente se não houver na prática o exercicio da transparência e liberdade, escondendo-se atrás de biombos e máscaras de "tragédias gregas"...

Se é uma farsa então que os personagens estejam realmente às altura do papel...pois ficamossem saber se se trata de Comédia ou não...

... e O GARRETTeatro continua em (re)construção...!
CÁ 70 said…
É por estas e outras que considero de grande coragem a iniciativa de M.M.Carrilho de escrever um livro que, sem papas na língua e com casos concretos - são ois seus, mas poderiam ser tantos outros - desmistificar o péssimo jornalismo que se vem fazendo em Portugal.
Se assim é nos jornais de âmbito nacional, nos regionais chega a ser vergonhosa a preguiça, a incompetência, a falta de memória, a falta de cultura e de informação e, sobretudo, o concluio com o poder instalado.
CÁ FICO said…
JJ e Comandante:
não se confunda Jornalismo com comunicação social:
comunicação social até a "mulher de soalheiro" a faz...

O Carrilho tem carradas de razão...

O Carrilho merece-me todo o respeito...
Claro que não concordo com as ideias dele! Mas foi juntamente com Henrique Neto quem deu a cara na oposição ao Engenheiro Guterres, já muito depois dos celebres Estados Gerais...
Outros nem sequer tiveram a coragem de estar presentes no momento certo...e jogam nos bastidotres do anonimato para arranjarem um Lugar ao Sol...

Foi vitima sim do controle dos midia sim!

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…