Skip to main content

Posts

Showing posts from May, 2006
NEGÓCIOS DA CHINA

Se o projecto da Quinta da China, no Porto, obtiver a aprovação da Assembleia Municipal do Porto (o que não será difícil porque o próprio Presidente da A.M., que é do PSD, pode desempatar a favor), haverá desafectação do domínio público de duas parcelas de terreno, correspondentes à referida Quinta. A eventual (e provável) aprovação pela A.M. implica a sua alienação a favor de Calçadas do Douro, Sociedade Imobiliária, Lda.
Negócios da China!
Só agora, na ponta final do processo (que já tem anos), é que o executivo PSD da Câmara do Porto leva a decisão à A.M. , órgão responsável pela deliberação do município.
Porque será que só agora é que a A.M. é chamada a legitimar um processo que nunca foi nem está claro?
É a subversão da política! Isto dá que pensar!

E se, por momentos, transferíssemos este modo nada democrático (ou antes: violador dos princípios democráticos) para o município poveiro? Não teremos também, por cá, casos semelhantes? Cr…
Relativa Liberdade de Expressão

Há cerca de três meses, João Paulo Guerra escrevia na sua coluna habitual no «Diário Económico», uma crónica a que deu o título «Mau Gosto e Falta de Senso». Isto a propósito do insólito caso de um ministro italiano ter mandado fazer, vestir e distribuir T-shirts com as famosas caricaturas do profeta do Islão, atitude que até o ex-primeiro ministro Berlusconi condenou.
Vem isto a propósito de quê? Simplesmente pela semelhança do título que empreguei, no verão passado, numa crónica que escrevi para o (então renovado) «Comércio da Póvoa de Varzim», cujo título era «Mau Gosto e Pouca Vergonha», sobre o desplante tido pela nossa Câmara Municipal (e pelas justificações dadas) na colocação de cartazes alaranjados relativos à Póvoa, em período de pré-campanha eleitoral. Parte dessa crónica, focando outra realidade imbecil, foi aqui referida num texto anterior.
Não se pretendeu ofender ninguém, mas apenas mostrar a nossa discordância com desman…
Póvoa Segura

Escrevo sobre a Polícia Municipal (PM) . Mas, antes de tudo o mais, esclareço que não é para dizer mal da autárquica corporação, por grandes razões que possam existir.
Vamos, então, a factos.

Hoje mesmo, passavam cinco minutos do meio-dia, o carro da PM, com uma tripulação de dois cinzentos elementos, artilhados de óculos de sol à maneira, descia , nada devagar, a Rua das Hortas. Na Avenida Mouzinho, vindo do lado do mar, o reboque da PM (com idêntica tripulação), contornou a placa central e voltou para poente (é o mar que nos chama...) ; momentos depois, era a evidência da coordenação policial: regressava o reboque, sem transgressor rebocado, seguido do mesmo carro da PM, e ambos pararam no semáforo ao pé do Mercado (por coincidência, logo atrás parou um carro da PSP).
Num dia lindo de sol, como este, até apetecia andar a pé. Enfim...

Na Praça Luís de Camões, um puto fazia tiro ao alvo, com pedras, tentando acertar na imagem da Virgem que lá es…
MUNDO CÃO

Para reflexão, transcrevo, com profunda amargura, uma notícia vinda no «Público», no passado dia 4 de Maio.

«Uma criança de quatro anos de idade, que foi vendida pela mãe por pouco mais de 15 euros, fez muito sucesso numa corrida para rapazes na Índia, depois de ter corrido 65 quilómetros, mas os críticos acusaram o seu treinador de colocar em risco a saúde do rapaz por dinheiro.
O menino, Budhia Singh, vestido com uma T-shirt branca e calções vermelhos, atingiu a meta em sete horas e dois minutos, tendo sido acompanhado por 300 oficiais da polícia. Muitos canais de televisão indianos transmitiram a prova, pelo que a criança se tornou no mais jovem indiano a realizar aquela distância. Nascido num bairro em Bhubaneswar, capital do estado oriental de Orissa, Budhia tinha apenas um ano de idade quando a sua mãe o vendeu, após a morte do pai.»
O CONGRESSO

Nos três dias do próximo fim de semana a Póvoa de Varzim vai ser literalmente invadida por militantes do PSD, para o seu Congresso Nacional, que vai ter lugar no Pavilhão Municipal. Antes, durante e depois do Congresso, e por causa dele, o nome da Póvoa vai ser repetidamente lido e escutado. Só por isso já vale a pena (e poupa-se na propaganda turística).
Para além do debate das questões internas do Partido, de que o País poderia eventualmente beneficiar, há vantagens imediatas para a Póvoa. A saber:
- vão descobrir-se muitas carências para a Póvoa, a todos os níveis (se na semana passada um pequeno grupo de dirigentes distritais do PSD descobriu que o molhe sul do nosso porto é um perigo, e que ameaça ruína, o que não irão descobrir uns milhares de atentos militantes - e responsáveis políticos- doPSD, reunidos em congresso?);
- vai medir-se a capacidade hoteleira da cidade e do concelho (tudo esgotado), e não haverá mesa livre nos restaurantes (tudo reservado);
- a V…
Uns Pingos de Humildade

Parece que caiu no goto dalgumas pessoas o «louvor» endereçado ao vereador Pedro Matos, na última sessão da Assembleia Municipal, a propósito duma entrevista que dera a um jornal local. O«apreço» seria pelas intenções ambiciosas que declarou pretender para a Póvoa, no âmbito do seu pelouro.
À estranheza inicial, face à declaração em que se referiam as boas medidas que previa (mas que não constam no programa eleitoral do PSD!), seguiu-se o espanto(e a discordância)por se ter afirmado que o novel vereador lera e havia interiorizado algumas propostas que constam no Programa Eleitoral do Partido Socialista; e mais se torceu na cadeira o senhor vereador quando até foram indicados os números de duas propostas concretas(basta conferir).
Teria sido bonito aproveitar a ocasião e mostrar a sua concordância com as propostas socialistas, nessas questões referidas. Um tudo-nada de humildade só engrandecia o senhor vereador, mas preferiu o silêncio.
Ficou …
A PERGUNTA QUE NINGUÉM FEZ

Às vezes não é preciso fazer perguntas, que as respostas aparecem sem serem encomendadas. É o caso do Dr.Vieira, que por tudo e por nada (no intervalo dos insultos à oposição) costuma dizer «ganhei em todas as mesas de voto», o que creio ser verdade.
Mas, nestas últimas eleições:
- perdeu votos; muitos votos;
- perdeu 3 presidências de Junta de Freguesia;
- perdeu um vereador!

No penúltimo mandato, o jornalista perguntou ao Dr.Vieira, ainda Presidente da Câmara e recandidato («o meu compromisso é apenas por 8 anos...»), o que era para si uma vitória. - «é ter mais 1(um) voto que nas últimas eleições; é sinal que os poveiros aprovam a obra feita».

Eis a pergunta que ninguém fez, incluindo os jornalistas:
«E então agora como é, Dr.Vieira»?