Skip to main content
.Era uma vez...a Praça de Touros!

Nesta fase dos campeonatos(de futebol e da política local), relembro uma crónica que escrevi em 14.06.1996 em «O Comércio da Póvoa de Varzim», e que intitulei «A Ópera foi à Tourada».
Mudaram-se os tempos, cresceram certas vontades e atrapalharam-se as ideias, tudo num compasso de espera que nos levará a ter saudades da Praça de Touros e da prometida praceta de lazer, a norte, um atractivo e invejável espaço a convidar ao descanso e ao convívio; a praceta serviria ainda para descomprimir o maciço da construção naquela zona. Tudo a favor da também prometida qualidade de vida, que será adiada e esquecida.


« Segui, ansioso, e tanto quanto me foi possível, a azáfama dos operários em redor da decrépita Praça de Touros. Com paciência e carinho eliminaram eles os amontoados de terra, cavaram o terreno para prepararem plataformas amplas, lisas e bem desenhadas, aptas para o escoamento rápido das chuvas nos tempos invernosos. Lentamente e com arte burilaram as pedras grandes de granito a formarem uma ala larga, provavelmente para a entrada das pessoas em massa. Por último, vi nascer a relva verde a alindar o local e as árvores a crescerem, prometedoras de sombras.
Finalmente! Dera-se início, começando pelo arranjo exterior, à tão desejada transformação da Praça. Isto pensei, mas talvez me tenha enganado. E como confesso desconhecer os planos urbanísticos para aquela área(e devia conhecê-los), não sei se, vendo passar o tempo, deva acreditar que «aquilo» é para ser mantido assim, a bem da riqueza do nosso património: num futuro mais ou menos próximo teremos umas ruínas no centro da cidade.

Há já muitos anos(20 anos! como o tempo passa!), e lembrando-me do pouco uso que era dado à Praça de Touros, imaginei-a transformada num pequeno «Madison Square Garden»(na altura estava nos Estados Unidos, e daí a lembrança); agora, reduzidos os horizontes da nossa imaginação, poderíamos muito bem batisá-la com um nome português e poveiro, mas dar-lhe, de igual modo, uma finalidade polivalente(desportiva, musical, cultural, etc).
Para tantas ideias existem em abundância soluções técnicas fáceis que tornam esta empresa viável e rentável. Vale a pena o esforço. (...)» .

Comments

CÁ FICO said…
Eo comandante acredita mesmo nisso?

Quanto a mim..já está mais que congeminado id~entico destido ao dos campos desportivos circundantes..o do Varzim e o do Desportivo...
Talvez que até fosse útil desmontar pedra a pedra a praça de touros, à semelhança da fachada da biblioteca municipal que foi ali transplantada vinda da actual Mouzinho de Albuquerque( às Galerias) e transplantá-la par a zona do lago próximo do Parque Desportivo e do estádio municipal... e no local da praça de touros actual construir um siloauto redondo com pelo menos sete andares....nada de apartamentos naquela zona...isso é mau para a Póvoa que necessita de estacionamento de proximidade...
CÁ 70 said…
Mais estacionamento?
Não está a Póvoa completamente estacionada?

A Póvoa precisa é de uma dinâmica de bom senso que a faça sair desta estação de inércia e de falta de atractividade!
CÁ FICO said…
JJ o problema do estacionamento da Póvoa, par além da má gestão sinalectica das ruas poveiras é sazonal ( de veraneio e turistico) por isso falo no siloauto aproveitando o espaço da tourada, que pode ser até no campo do varzim ou do Desportivo ou até nas piscinas municipais...que deveriam ser numa outra freguesia da Póvoa de preferencio mais longe do mar...


A gora deitar abaixo compexos desportivos ,culturais erecreativos para construir mais apartamentos isso é que não...chega de habitações na póvoa cidade litoral...

Popular posts from this blog

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…
PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…