Skip to main content
25 de Abril, 2006

Sinto, como se fosse hoje, o ar fresco daquela manhã de Abril;
Vejo, passados tantos anos, a alegria imensa estampada no rosto das pessoas;
Apertam-me, ainda hoje, os abraços da gente anónima, que agarra a Liberdade;
Conservo, por mim e por todos, a mesma esperança que abrimos naquela manhã
de Primavera.

Festeje, cada um, o 25 de Abril,
como quiser,
como souber,
como puder.
Grite, cada um, mesmo em silêncio, a alegria que lhe vai na alma.

Neste dia de Abril, esperança de náufrago nas tempestades da vida, relembro parte do poema «Liberdade», de Manuel Alegre:

(...) Teu nome onde exilado habito e canto

mais do que nome: navio

onde já fui marinheiro

naufragado no teu nome.

Sobre esta página escrevo

o teu nome: tempestade.

E mais do que nome: sangue.

Amor e morte. Navio.

Sobre esta página escrevo

o teu nome: LIBERDADE.





Comments

UNIVERSALEX said…
Caro comandante...infelizmente poucos podem sentir hoje o cheiro da liberdade do 25 de Abril de 1974...

pois a Liberdade vei só para alguns... E infelizmente veio para muitos mas muitos mesmos que viviamcomo nababos no tempo de antes do 25 de Abril e que eram os seus mais dilectos defensores ( do Regime de salazar e de caetano)...nele foram promovidos e dele viveram faustas e lautas recompensas... e hoje auferem garbosas compensações...não lhe vou chamar comendas para não ofender os honrosos galardoados pelos legitimos trabalhos em honra deste País ainda com a "colónia" da Madeira...
O 25 de Abril, "infelizmente" está moribundo e vai morrendo a cada dia em que mais uma lauta reforma miliardária vai sendo dada sem que para tal o seu beneficiário tivesse descontado para o efeito...e este é apenas o cheiro mais visivel do moribundo e futuro fétido defunto...será que vai haver milagre?

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

AS GUERRAS DOS OUTROS

AS GUERRAS DOS OUTROS

     Em 9 de Abril de 1918 - há cem anos - o Exército Português (as Forças Armadas portuguesas) combatia no inferno de La Lys, no Norte de França, ao lado das tropas francesas contra as poderosas forças alemãs, depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal.
     Morreram muitos milhares de soldados portugueses, e muitos milhares ficaram feridos e com graves doenças.

     Hoje foi dia de homenagear com solenidade tantos heróis - sim, todos foram heróis - e as suas famílias. Nunca serão demasiadas as justas palavras que se digam, e também nunca secarão as lágrimas que por eles se choram.

     Hoje, e num acto de solidariedade e fraternidade, também deveria ser dia de honrar os militares portugueses que, mesmo não envolvidos numa guerra, estão prontos, por juramento solene, a defender a nossa Pátria.

     Na mesma Primeira Grande Guerra, muitos soldados indianos foram recrutados para combaterem na Inglaterra, ao serviço do seu rei-imperador. Um dos súbditos solda…

AMANHÃ, A MADRUGADA

AMANHÃ, A MADRUGADA


     É cálida a noite.

     As aves vigiam, guardando silêncio.

     Suave é a brisa, acariciadora.

     A lua, matreira, resguarda-se numa nuvem.

     As estrelas dão as mãos e sorriem.


     Tempo de vésperas.

     É chegada a hora dos audazes.


     Um raio de luz aponta a alvorada, a tão desejada alvorada.

     O princípio da esperança, a eterna esperança.

     É a madrugada do futuro prometido.