Skip to main content
CINE-TEATRO GARRETT

Uma boa notícia que nos dá o «O COMÉRCIO DA PÓVOA DE VARZIM», na sua edição de hoje, 16 de Março de 2006: «as obras no Cine-Teatro Garrett deverão começar em breve. Neste momento o projecto está a ser ultimado e deverá ser levado brevemente à aprovação do executivo municipal (...)». E mais à frente, a mesma voz autorizada do Vereador da Cultura (Dr.Luís Diamantino), diz acreditar «que o Garrett possa estar operacional em finais de 2007»!
A mesma notícia termina com um «mimo» oferecido aos poveiros: «a norte do Porto ninguém tem uma fonte de Cultura e isso implicaria que a Póvoa, com o Garrett, se poderia tornar no centro cultural de toda esta região».
(a propósito: Vila Nova de Famalicão tem a programação cultural que se conhece,
dista uma vintena de quilómetros da Póvoa, e fica a norte do Porto).

Vale a pena ler a reportagem oferecida pelo suplemento«Sete» da «Visão», também de hoje, 16 de Março, referindo o Teatro de Vila Real como um caso de sucesso, que consegue sempre muito público, num País pouco dado aos espectáculos teatrais.
Alguns números: em 2004(apenas em 9 meses), 351 espectáculos, 58 mil espectadores; em 2005, 432 espectáculos, 69 mil espectadores; média de ocupação: 89 %. O orçamento foi de 830 mil euros em 2005 e cerca de um milhão para 2006; SEM apoios estatais, a autarquia assegura 55 % da verba, sendo o restante gerado pelo Teatro através da bilheteira.

Dá que pensar: o êxito do Teatro de Vila Real (que já se conhecia, aliás), e o «avanço» nas obras do Garrett, que arrancaram com o enorme cartaz, começaram de facto com a «prata da casa» e, quando já se pensava no dia da estreia(«está para breve...»), anuncia-se que as obras vão COMEÇAR!

Comments

UNIVERSALEX said…
Teatro para que^epara quem?
CÁ 70 said…
Caro Comandante, o Vereador da Cultura poveiro devia ir a Guimarães, ao Centro Cultural Vila Flor... Se tiver um pouco de lucidez, enverginha-se por estar repetidamente a enganar os Poveiros incautos.
E quanto ao Garrett, depois da intolerável acção de propaganda eleitoral que foi montar substituir o enorme cartaz de publicidade por um taipal à frente do edifício e dar a entender que a obra estava a fazer-se, o que realmente acontece é que apenas se demoliu o interior, o projecto está a fazer-se, e nem sequer está assegurado o finaciamento à construção (basta ver o PPI e Orçamento para 2006)... Chega de tanto embuste...Não consigo entender como é que se consegue enganar tanta gente, ao mesmo tempo, mais do que uma vez!!!

J.J.Silva Garcia
Caro Arquitecto,
O seu comentário, que está naturalmente correcto, é elucidativo, pelo que só posso concluir que a tacanhez abunda e tresbunda pelo pelouro da «nossa» cultura. Não ficava nada mal a sua excelência o vereador da cultura (intencionalmente tudo com letras minúsculas)desse uma saltada a Guimarães(pode ir no carro que lhe está atribuído, porque vai em serviço...), e copiasse o que lá seja capaz de ver e aprender.
Além de também não compreender como se consegue ludibriar tanta gente, tenho uma outra dúvida, que me preocupa profundamente: COMO É QUE HÁ AINDA TANTA GENTE QUE SE DEIXA ENGANAR DESTA FORMA?
CÁ FICO said…
Quemé o vereaador da cultura?
Alguém sabe?
Caro «cá fico»,
Creio que sei a resposta à sua preocupante questão: cá para mim, pelo que tenho observado ao longo dos tempos, deve ser uma máquina de...FOTOCÓPIAS.Para bom entendedor...
Tony Vieira said…
Tudo isto é muito caricato, porquanto foi uma "Folha Municipal" de Maio de 2005 que inspirou a existência do povoaonline. Essa Folha tinha como título "Vem Aí o Garrett".

As últimas notícias dizem que estará pronto em final de 2007. Tem que se começar a punir a mentira.

Vamos ver em 2007.

O Carias e o Duardo estão sempre a ser requisitados para outros serviços, como é que o Garrett pode ficar pronto.

Por outro lado, se a cidade respirasse cultura, teatro, cinema, música, exposições, a urgência do Garrett tornava-se mais premente.

Mas não.
Se nestas e noutras questões a Póvoa se assumir como um satélite do Porto... Morre! Não será mais que um subúrbio.
Caro Mário de Sá Peliteiro,
Receio bem que o seu prognóstico esteja(ou venha a estar)mais do que acertado, e por essa razão, se gostamos da nossa Terra e queremos fazer algo por ela, temos que agir.
As coisas não podem ser feitas isoladamente: tudo deve obedecer a um planeamento e a uma estratégia BEM definida,e nunca resolver os problemas de forma casuística(e sempre fora de interesses particulares).
Falamos de Cultura: pouco, ou quase nada, se faz por estas bandas.
A chegada do Metro à Póvoa pode até, neste aspecto, ser gravoso: as pessoas VÃO para o Porto(e outras terras), e a Póvoa só não fica deserta porque haverá muita gente que vem para o ...dormitório, com a barriguinha(e o espírito) cheia de cultura.
Eis, portanto, a urgência que existe em promovermos , de forma consciente, consistente e duradoura, a cultura na Póvoa, com realce para a nossa própria identidade cultural.
CÁ FICO said…
Já percebi!

O teatro Poveiro é Político...Partidário...

Vão todos ficar em cena em 2007...Realizador- Cá-70
...Cénógrafo- Tony Vieira
.....(povoaonline)
... Produção: Boticário de .....Provincia
....Artista convidado: ..Sextante ...Poveiro
Personagens e interpretes:
...Cá 1000, Cá Estou, e sucessores
...Meninos eu vi,Zé Povinho,e comandita...
...Publicidade: Voz das tricanas da póvoa
Criticos de teatro:
...cá-fico;muitogrosso;

Popular posts from this blog

PALAVRAS E SENTIMENTOS

     Filho de um agricultor com uma plantação de amendoins, o pequeno Jimmy cresceu num são ambiente familiar, marcadamente religioso, e pobre: a casa onde cresceu não tinha água corrente nem electricidade. Na Geórgia, nos Estados Unidos da América.
     A escola abriu-lhe os horizontes que haveriam de o levar a conseguir a concretização do seu desejo maior: ser um Homem!
     E conseguiu.

     Sempre bom aluno, na universidade seguiu engenharia. Admitido à Academia Naval dos Estados Unidos, terminou o curso entre os dez primeiros, numa longa lista.
     Serviu nos submarinos. Mais tarde, entrou na área da advocacia.

     Não sendo homem de grandes falas, usava-as com o sentido preciso do juízo e do apreço, com genuíno sentimento, mas nem sempre bem compreendido.

     Cumprido o seu dever como militar e tendo dado todo o seu saber ao seu país, deixou a Marinha no posto de capitão-de-mar-e-guerra.

     Falamos de Jimmy Carter.

     Governador do Estado da Geórgia, candid…

A Saúde dos Outros

A SAÚDE DOS OUTROS

1. Depois da intervenção cirúrgica à outra anca, o prestigioso ortopedista, professor catedrático, elaborou o requerido relatório para avaliação do grau de incapacidade, a ser certificado por uma Junta Médica, como manda a lei. Aplicou-se a tabela em vigor: 65% de incapacidade motora.
     Uns anos depois nasceu uma nova versão da lei, neste particular da saúde, com diminuição nos parâmetros, para "maior rigor e transparência". Nova avaliação.
     Reunido o trio da Junta Médica (um clínico era muito novo), debruçaram-se sobre o novo relatório, semelhante ao anterior, e após algumas perguntas de circunstância e alguma cogitação, decidiram o novo grau de incapacidade: 62%!
     A continuar assim, qualquer dia o utente da saúde ficará em estado de novo e dispensa as próteses!

2. A professora tinha cancro há alguns anos, e estava a fazer tratamento. Notava-se claramente, e custava-lhe muito ter que enfrentar os seus alunos. Para além do sofrimento físico, tinha qu…

COUVES E TRAPOS

COUVES E TRAPOS

     Tive que esperar largos minutos até chegar a minha vez para comprar selos.
 À minha frente estava uma mulher do povo, fortalhaças, vestida de preto, e na casa dos cinquenta.
     Era impossível não ver nem ouvir a funcionária dos correios ir contando, e cantando, as notas que ia colocando no balcão: cem, duzentos, trezentos, quatrocentos, quinhentos...
     Fiz um esforço para não ouvir mais.

     Olhei à volta e calculei, pelo que vi, que devia ser dia de pagamento de pensões.

     Curiosamente, àquela mesma hora discutia-se no Parlamento - no nosso Parlamento - a questão ignominiosa dos contratos de trabalho precários e correspondentes vencimentos miseráveis, que atingem milhares de pessoas, muitas delas com formação superior; e, como se verifica, há deputados, alinhados com certo tipo de patronato, que ainda gastam o seu tempo a discutir este problema, que nos envergonha.

     Fiquei a matutar naquela cena passada nos correios. Aquela cara não me era estranha! Creio j…